sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Descoberta anima pacientes com câncer cerebral

O vírus da zika (Zika vírus ou ZIKV) é capaz de destruir células cancerosas no cérebro. A confirmação da descoberta, feita por pesquisadores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unicamp neste início de ano, abre a perspectiva de consolidar novas formas de tratamento para a doença. Em razão da elevada taxa de proliferação, esse tipo de câncer costuma matar, em média, um ano após o diagnóstico.

Em laboratório, o grupo de estudiosos infectou o vírus da zika em células com glioblastoma, mais comum e agressivo tumor maligno de cérebro, e pode perceber uma ação rápida de desaparecimento celular. Em apenas 24 horas, pelo menos metade das células com tumor tinha morrido, e, a melhor parte, sem comprometimento das células saudáveis. Com os resultados, os pesquisadores seguem otimistas com as novas possibilidades de cura da doença.

A infecção pelo zika durante a gravidez ataca as células-tronco do cérebro de fetos em desenvolvimento, o que, possivelmente, causa más-formações como a microcefalia. Em adultos, geralmente não há maiores danos, além de sintomas similares aos de uma gripe.

Fontes: G1; BBC

1